Riscos Biológicos

Loading...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Drogas Antineoplásicas- um risco químico

As drogas antineoplásicas säo utilizadas de forma crescente no meio hospitalar devido aos promissores resultados apresentados no tratamento do câncer. As açöes desejadas destas drogas, principalmente suas capacidades citotóxica/citostática e imunomoduladora säo obtidas às custas de efeitos colaterais frequentemente severos. Um aspecto pouco abordado em nosso meio no espectro do uso de drogas antineoplásicas é a questäo do manejo e administraçäo dessas drogas. A maioria dos profissionais de saúde näo se sente adequadamente esclarecida sobre os riscos potenciais dos fármacos a serem manipulados.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Algumas substâncias/compostos químicos relacionados aos riscos ocupacionais identificados pelos enfermeiros

Antibióticos

Os antibióticos são produtos de enorme importância não apenas na área de saúde.

Grupo de agentes quimioterápicos (maioria), que constituem-se em produtos microbianos ou derivados. São produtos do metabolismo secundário (quando a célula entra em fase estacionária), não essenciais para o crescimento ou reprodução, sendo sua síntese dependente da composição do meio (podem ser super produzidos). São geralmente compostos complexos, cuja síntese envolve várias etapas enzimáticas, sendo as enzimas reguladas separadamente das do metabolismo primário. Via de regra, a produção de antibióticos está associada ao fenômeno de quorum sensing.




Glutaraldeído

 É um dialdeído saturado, com um odor pungente, usado em desinfetantes e esterilizantes ambulatoriais e hospitalares. Possui fórmula química C5H8O2.
Embora seja usado em ambiente médico, é tóxico, causando severas irritações nos olhosnarizgarganta e pulmões, juntamente com cefaléias, sonolências e vertigens.
Glutaraldeído é um líquido oleoso a temperatura ambiente (densidade 1.06 g/mL), e miscível com águaálcool, e benzeno. É usado como um fixador de tecidos em microscopia eletrônica. É empregado como um fluido de embalsamamento,é um componente de soluções de curtimento de couros, e ocorre como um intermediário na produção de certos produtos químicos industriais. O glutaraldeído é frequentemente usado em aplicações bioquímicas como um reativo para aminas homobifuncional reticulador ("cross-link"). O estado oligomérico de proteínas pode ser examinado através desta aplicação.
Glutaraldeído monomérico pode polimerizar por reação de condensação aldólica produzindo poli-glutaraldeído insaturado alfa,beta. Esta reação usualmente ocorre em valores de pH alcalinos.



Óxido de etileno

O óxido de etileno C2H4O é um gás incolor à temperatura ambiente, é altamente inflamável. Em sua forma líquida é miscível com água, solventes orgânicos comuns, borracha e plástico.
Para que possa ser utilizado o óxido de etileno é misturado com gases inertes, que o torna não-inflamável e não-explosivo. As misturas utilizadas são:

  • Carboxide: 90% de dióxido de carbono e 10% de óxido de etileno;


  • Oxifume-12: 88% de diclorofluormetano (freon) em peso e 12% de óxido de etileno;


  • Oxifume-20: 80% de dióxido de carbono em peso e volume de gás e 20% de óxido de etileno;


  • Oxifume-30: 70% de dióxido de carbono em peso e volume de gás e 30% de óxido de etileno.



  • A umidade relativa é de sma importância na esterilização por óxido de etileno. Alguns enfoques são dados a esta importância da umidade na esterilização por óxido de etileno, um deles é o fato de que o aumento da umidade relativa aumenta o poder de esterilização do óxido de etileno. Outro enfoque dado a essa importância é que ocorrem reações químicas entre o óxido de etileno e unidades biológicas, essas reações são ligações covalentes e portanto não se dissociam, para isso a ionização deve ocorrer em um solvente polar; assim a água funciona nesta reação como meio de reação ou solvente.
    Um outro aspecto da importância da umidade neste tipo de esterilização é o fato de que a água e o agente esterilizante promovem reciprocamente a permeabilidade através de embalagens de filme plástico, dependendo de sua característica polar ou apolar. O óxido de etileno funciona como transportador através de filmes não polares e hidrófobos; já a água favorece a passagem de óxido de etileno através de filmes polares (celofane e poliamida por exemplo).

    A utilização do óxido de etileno na esterilização é hoje principalmente empregada em produtos médico-hospitalares que não podem ser expostos ao calor ou a agentes esterilizantes líquidos: instrumentos de uso intravenoso e de uso cardiopulmonar em anestesiologia, aparelhos de monitorização invasiva, instrumentos telescópios (citoscópios, broncoscópios, etc.), materiais elétricos (eletrodos, fios elétricos), máquinas (marcapassos, etc.), motores e bombas, e muitos outros.
    Este tipo de esterilização contribui para a reutilização de produtos que inicialmente seriam para uso único, assim a prática deste tipo de esterilização evidencia vantagens econômicas, porém a segurança de se reesterilizar estes produtos ainda é questionada.




    terça-feira, 16 de novembro de 2010

    RISCOS OCUPACIONAIS QUÍMICOS IDENTIFICADOS POR ENFERMEIROS QUE TRABALHAM EM AMBIENTE HOSPITALAR

    Os trabalhadores de enfermagem hospitalares submetem-se aos riscos ocupacionais químicos, incluindo as substâncias que podem ser inaladas,digeridas ou entrar em contato com a pele, ocasionando-lhes danos à saúde.

    Circunstâncias favorecedoras desse tipo de exposição ocupacional são o uso prolongado de luvas de látex, o manuseio de detergentes e solventes, a manipulação de drogas antineoplásicas e antibióticos de última geração, a inalação de gases anestésicos, a exposição aos vapores de formaldeído e glutaraldeído e aos vapores dos gases esterilizantes, entre outros.



      Segundo dados do artigo "RISCOS OCUPACIONAIS QUÍMICOS IDENTIFICADOS POR ENFERMEIROS QUE TRABALHAM EM AMBIENTE HOSPITALAR" publicado em 2006, um estudo realizado no Hospital Universitário de Ribeirão Preto com 53 enfermeiros, constatou que os mesmos, estão expostos principalmente aos antibióticos e benzina (100%), iodo (98,1%) e látex-talco (88,7%); as principais substâncias causadoras de problemas de saúde citadas foram antineoplásicos (86,7%), glutaraldeído (79,2%) e óxido de etileno (75,5%); as alterações à saúde que descreveram foram: lacrimejamento, reações alérgicas, náuseas e vômitos, não mencionando outros problemas de saúde que podem ser ocasionados pelos produtos citados. Esses trabalhadores necessitam adquirir maior conhecimento quanto aos riscos ocupacionais químicos, que poderiam ter recebido na graduação/ou nos cursos de educação continuada.

      Nem sempre a exposição resulta em efeitos prejudiciais à saúde, os quais irão depender de fatores tais como: tipo e concentração do agente químico,freqüência e duração da exposição, práticas e hábitos laborais e suscetibilidade individual.Prevenir é uma das formas de se evitar os problemas de saúde ocupacional que podem ser desencadeados por essa exposição; porém, para a efetividade dessa prevenção é necessário que os trabalhadores tenham conhecimento sobre os riscos propiciados pelas substâncias química.

    sábado, 13 de novembro de 2010

    Riscos Ergonômicos


    Os riscos ergonômicos são determinadas pela falta de adaptação das condições do trabalho às características psicofisiológicas do trabalhador.

    Os riscos ergonômicos podem causar a LER (Lesões por esforços repetitivos ou DORT (Doenças Ósteomusculares Relacionadas ao Trabalho).

    Definição de LER.
    São afecções de origem ocupacional que atingem os membros superiores, ombro e pescoço, resultantes do desgaste de músculos, tendões, nervos e articulações provocado pela inadequação do trabalho ao ser humano.


    Nomes alternativos
    LER – Lesões por Esforços Repetitivos; DORT – Doenças Ósteomusculares Relacionadas ao Trabalho; Doenças Músculoesqueléticas Relacionadas ao Trabalho; Lesões por Esforços Cumulativos; Lesões por Traumas Cumulativos; Doença Cervicobraquial Ocupacional; Tenossinovite.

    Incidência
    Diversas categorias de trabalhadores, que têm em comum a repetitividade de movimentos e o esforço físico, podem ser atingidas pela LER/DORT, especialmente os usuários de terminais de vídeo, processadores de dados (digitadores), caixas (de supermercados, lojas ou bancos), operários de linha de montagem e trabalhadores nas indústrias de autopeças, microeletrônica, telecomunicações, preparação de alimentos e, nas fábricas de pequenos manufaturados.

    No Brasil, desde 1986 as LER/DORT passaram a assumir relevância crescente nas estatísticas sobre doenças relacionadas ao trabalho, sendo que a partir de 1987 foram reconhecidas, pela Previdência Social, como doença profissional. Esse fato pode ser explicado, em parte, pela rápida absorção pelo nosso país das inovações tecnológicas e pela adoção de novas formas de organização do trabalho.


    Causas
    As LER/DORT decorrem, de forma combinada ou não, da manutenção de postura inadequada e do uso repetido ou forçado de grupos musculares. O trabalho nestas condições pode provocar o acometimento de tendões, músculos, nervos, com ou sem degeneração dos tecidos, especialmente dos dedos da mão, punhos, antebraços, cotovelos, braços, ombros, pescoço e regiões escapulares.




    quarta-feira, 10 de novembro de 2010

    Riscos Químicos





                      É o perigo a que determinado indivíduo está exposto ao manipular produtos químicos que podem causar-lhe danos físicos ou prejudicar-lhe a saúde.
                  Os danos físicos relacionados à exposição química inclui, desde irritação na pele e olhos, passando por queimaduras leves, indo até aqueles de maior severidade, causado por incêndio ou explosão.
                  Os danos à saúde podem advir de exposição de curta e/ou longa duração, relacionadas ao contato de produtos químicos tóxicos com a pele e olhos, bem como a inalação de seus vapores, resultando em doenças respiratórias crônicas, doenças do sistema nervoso, doenças nos rins e fígado, e até mesmo alguns tipos de câncer.

    terça-feira, 9 de novembro de 2010

    Riscos Biológicos




                            São considerados riscos biológicos:

           
     * Vírus, bactérias, parasitas, protozoários, fungos e bacilos.
             

                Os riscos biológicos ocorrem por meio de microorganismos que, em contato com o homem, podem provocar inúmeras doenças. Muitas atividades profissionais favorecem o contato com tais riscos. É o caso das indústrias de alimentação, hospitais, limpeza pública (coleta de lixo), laboratórios, etc.
                Entre as inúmeras doenças profissionais provocadas por microorganismos incluem-se: tuberculose, brucelose, malária, febre amarela.
    Para que essas doenças possam ser consideradas doenças profissionais, é preciso que haja exposição do funcionário a estes microorganismos.
               São necessárias medidas preventivas para que as condições de higiene e segurança nos diversos setores de trabalho sejam adequadas.
               Os riscos biológicos em laboratórios podem estar relacionados com a manipulação de:

    -  Agentes patogênicos selvagens;
    -  Agentes patogênicos atenuados;
    -  Agentes patogênicos que sofreram processo de recombinação;
    -  Amostras biológicas;
    -  Culturas e manipulações celulares (transfecção, infecção);
    -  Animais.

             Todos os itens citados acima podem tornar-se fonte de contaminação para os manipuladores. As principais vias envolvidas num processo de contaminação biológica são a via cutânea ou percutânea (com ou sem lesões - por acidente com agulhas e vidraria, na experimentação animal - arranhões e mordidas), a via respiratória (aerossóis), a via conjuntiva e a via oral.
               Há uma classificação dos agentes patogênicos selvagens que leva em consideração os riscos para o manipulador, para a comunidade e para o meio ambiente. Esses riscos são avaliados em função do poder patogênico do agente infeccioso, da sua resistência no meio ambiente, do modo de contaminação, da importância da contaminação (dose), do estado de imunidade do manipulador e da possibilidade de tratamento preventivo e curativo eficazes.
    Fonte: Biossegurança em Laboratórios de Saúde Pública. Oda, Leila, Ávila, Suzana. Et al. Brasília. Ministério da Saúde, 1998.

                                                                                                       
                                                                                                                   
                             
                                                             

    Riscos a que estão submetidos os trabalhadores de enfermagem

    O hospital, local de trabalho de trabalho dos membros da equipe de enfermagem (auxiliares técnicos e enfermeiros) ao mesmo tempo que salva vidas, favorece o adoecer das pessoas que nele trabalham,pois não há uma maior preocupação com a proteção,promoção e manutenção da saúde de seus empregados.
     No hospital estão expostos a riscos biológicos,físicos, químicos, psicossociais e ergonômicos.
     Levou-se em consideração a verbalização dos trabalhadores sobre os possíveis riscos de manipularem antibióticos de última geração, os problemas que podem ocorrer como  preparo de antineoplásicos (combatem células malignas), as dermatites (alergias) que podem ser ocasionadas pelo uso prolongado de luvas protetoras e/ou degermantes e outras substâncias químicas, utlizadas no ambiente hospitalar.